Publicações

Detenção sem mandado em Moçambique. Diretrizes contra detenções arbitrárias e ilegais
Author: Tina
Published: Oct 28, 2019

Esta folha informativa trata do poder de deter sem mandado em Moçambique. O Acórdão 4/CC/2013 de 17 de setembro do Conselho Constitucional resultou em mudanças significativas sobre quem pode deter sem mandado, reduzindo assim o risco de detenções arbitrárias. Essas mudanças e outros desenvolvimentos são um bom presságio para a reforma do sistema de justiça criminal. No entanto, constrangimentos de recursos afectam substancialmente o sistema de justiça criminal moçambicano em geral e,especificamente, o cumprimento da decisão de 2013 do Conselho Constitucional.

Powers of arrest curtailed by Constitutional Council of Mozambique – the impact of the 2013 decision
Author: Tina
Published: Sep 20, 2019

This report assesses the consequences of the 2013-decision of the Constitutional Council of Mozambique, which limits to judges the authority to order pre-trial detention for cases falling outside of flagrante delito (where the accused is caught in the act of committing the offence). Although the decision represents a progressive change in the jurisprudence of Mozambique’s highest court, judges, prosecutors and police encounter operational challenges in implementing the decision, in a country with a population of more than 28 million people. In 2017, there were 344 judges, 18 of which were Judges of Criminal Instruction, responsible for issuing warrants of arrest for cases outside of flagrante delito. Concerns were raised in relation to lack of financial and logistical resources for prosecutors, which are mandated to monitor the legality of police detention. As the criminal justice system is under-resourced, police officials have to wait for a judge to issue a warrant of arrest for cases falling outside of flagrante delito. Despite the decision, unlawful arrests continue to happen although there is anecdotal evidence that these have decreased. The 2013-decision has clarified who has the power to authorise arrest in these cases, but the situation is far from being resolved.

Relatório da REFORMAR sobre mulheres encarceradas ao Comité das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres para a revisão do 3o e 5o Relatório Periódico Combinado de Moçambique a ser considerado na 73° Sessão do CEDAW
Author: Rosa
Published: Jun 14, 2019

O relatório aborda o problema das mulheres encarceradas, apresentando estatísticas, o perfil dos crimes mais cometidos, a questão das mulheres encarceradas grávidas e aquelas com filhos pequenos e por ultimo, cuidados com a saúde das reclusas, principalmente aquelas com HIV/SIDA e outros serviços como acesso a educação e programas recreativos.

Análise de algumas Questões a volta da Integridade no Judiciário em Moçambique
Author: Tina
Published: May 01, 2019

A corrupção tem sido frequentemente descrita como o maior obstáculo ao desenvolvimento de qualquer país. Moçambique se localiza entre os países mais corruptos da África e do mundo. Em 2017, o Índice de Percepção da Corrupção classificou Moçambique no 153º lugar dentre 180 países. Dados da Transparência Internacional referem que, em 2016, 40% dos cidadãos que interagiram com os órgãos de administração da justiça, teve que pagar subornos. Nos últimos anos, não se realizaram pesquisas profundas sobre a integridade no Judiciário no país, principalmente devido à negação institucional e resistência em lidar publicamente e falar sobre o assunto. Este artigo apresenta uma panorâmica do actual conhecimento sobre essa área e tem o objectivo de iniciar discussões sobre a integridade no sistema judiciário, sintetizar o conhecimento existente, identificar as lacunas e exigir futuras pesquisas para a produção de linhas de base que fortaleçam a integridade judiciária, em Moçambique. Cada vez mais se ouve a palavra “integridade pública” quando falamos de governação, instituições públicas e, especialmente, comportamentos de funcionários públicos. O conceito de integridade, ou mais precisamente a falta de integridade pública, frequentemente se encontra ligado à noção de “corrupção”. A integridade é considerada oposta à corrupção e a falta dela como causa de corrupção, enquanto não existe uma definição única e aceite internacionalmente de corrupção. A definição mais amplamente usada de corrupção se refere a “o abuso do poder público ou da posição pública para ganhos privados”. Moçambique assinou e ratificou a maioria dos instrumentos internacionais contra a corrupção, o mais importante dos quais é a Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção. A Constituição da República de Moçambique prevê, nos seus Artigos 134, 217, 218 e 219 o quadro constitucional sobre a integridade judicial. A primeira legislação específica que vem reforçar os mecanismos anti-corrupção foi adoptada em 2004 sob a forma de Lei Anti-corrupção, com a criação do Gabinete de Combate à Corrupção. As Leis da Probidade Pública, de Protecção de Vítimas, Testemunhas, Denunciantes e Peritos em Processos Criminais; e o novo Código Penal formam actualmente, o quadro legislativo sobre a matéria. A estrutura legislativa e institucional existe, mas precisa ser fortalecida para promover e maximizar a integridade e punir inequivocamente a corrupção e outras formas de má conduta pública. Os meios de comunicação informam diariamente sobre escândalos de corrupção, e alegações diferentes relativas a violações da integridade pública. Esse artigo revela que, entre Janeiro de 2017 a Outubro de 2018, 15 artigos informaram sobre questões relacionadas particularmente à integridade no Judiciário. Dentre estes, o reconhecimento da corrupção no sector e/ou reconhecimento da importância do fortalecimento da integridade no Judiciário; exemplos de corrupção no Judiciário e comportamento criminal envolvendo procuradores. Entretanto, o caminho do reconhecimento oficial da corrupção no judiciário para a plena implementação das leis e medidas em vigor é longo.

An Assessment of some Aspects of Judicial Integrity in Mozambique
Author: Tina
Published: Apr 28, 2019

Corruption has been described as the major obstacle to development in any country. Mozambique is among the most corrupt countries in Africa and in the world. In 2017, the Corruption Perception Index placed in the 153rd position out of 180 countries. Data from Transparency International reports that, in 2016, 40% of all citizen interactions with the judicial system ended with a bribe being paid. Judicial integrity is under-researched as it is challenging to conduct empirical research on this topic in Mozambique. This is mainly due to institutional resistance to publicly address judicial integrity. The aim of this report is to reignite discussions on judicial integrity, synthesising available knowledge on the subject, identifying knowledge gaps, and calling for more in-depth research to strengthen judicial integrity in the country. The concept of “public integrity” is often used in discourses about governance, public institutions and especially the behaviour of public officials. Integrity, or more precisely the lack of public integrity, is often equated with the notion of “corruption”. Integrity is considered the opposite of corruption, and the lack of integrity as a cause of corruption, while there is no single, internationally accepted definition of corruption. The most widely used definition is “the abuse of public office or public position for private gain”. Mozambique has signed and ratified most of the international instruments against corruption, the most important being the UN Convention against Corruption. The Constitution provides, in its articles 134, 217, 218 and 219 the constitutional framework on the judicial integrity. The first ever corruption specific legislation was adopted in 2004 as the Anti-Corruption Law, with the creation of the Central Office to Combat Corruption. The Public Probity Law, the Protection of Victims, Witnesses, Whistleblowers and Experts in Criminal Proceedings Law and the new Penal Code compose, today, the legislative framework on the matter. The legal and institutional structure exists, however this should be reinforced to promote and integrity and punish corruption and other forms of public misconduct. The media reports daily on corruption scandals and different allegations concerning violations of public integrity. This article reveals that, between January 2017 and October 2018, 15 articles reported on issues specifically relating to judicial integrity. Among those, acknowledgment of corruption in the sector and/or an acknowledgment of the importance of strengthening judicial integrity; examples of corruption in the judicial sector and criminal behaviour involving prosecutors. However, the path from the official recognition of judicial corruption to the full implementation of laws and measures in place is a long one

Polícia no Estado de Direito Democrático – Um Quadro Conceitual
Author: Rosa
Published: Apr 03, 2019

Temos o prazer de compartilhar convosco, a apresentação do Dr. Lukas Muntingh com o tema “Polícia no Estado de Direito Democrático – Um Quadro Conceitual”, apresentado no workshop intitulado “O papel da Policia no Estado de Direito Democrático – Desafios e Possibilidades”, que teve lugar nos dias 27 e 28 de Março de 2019 no Afrin Hotel, em Maputo.

Detenções sem Mandado
Author: Rosa
Published: Apr 02, 2019

Temos o enorme prazer de compartilhar convosco, a apresentação do Dr. Lukas Muntingh com o tema “Detenções sem Mandado”, apresentado no workshop intitulado “O papel da Policia no Estado de Direito Democrático – Desafios e Possibilidades”, que teve lugar nos dias 27 e 28 de Março de 2019 no Afrin Hotel, em Maputo.